Início Destaque Adicional garantido por lei não é repassado a servidores exonerados da...

Adicional garantido por lei não é repassado a servidores exonerados da Saúde de Picos

Maria Santana

Entrou em vigor, no dia 19 de agosto de 2020, a Lei Municipal 3045/2020, que garante aos servidores lotados na Secretaria Municipal de Saúde, que trabalham na linha de frente ao enfrentamento à Covid-19, uma gratificação de até 40% de adicional de insalubridade.

Entretanto, de acordo com Maria Santana, ex-diretora do Centro Integrado de Especialidades Médicas (CIEM), apenas alguns servidores receberam o pagamento, que retroage à 01 de abril deste ano e deveria ser pago por três meses aos profissionais.

Maria conta que na noite desta quinta-feira (24), ela recebeu inúmeras ligações de servidores falando que não haviam recebido o adicional e que apenas alguma parte teria sido beneficiada com o acréscimo no salário.

“Eu fui surpreendida por alguns colegas ligando, dizendo que tinha saído a insalubridade para pessoas que continuam trabalhando, e outras pessoas que foram exoneradas em agosto, dizendo que nas suas contas não tinha caído o valor referente à insalubridade e questionando se eu tinha recebido, até então não tinha verificado minha conta e também não recebi. E é triste, porque são pessoas que colocaram suas vidas e até de seus familiares em risco para poder prestar um serviço para a comunidade de Picos e da macrorregião”, disse.

Santana afirmou que o diretor clínico, o dr. Pascoal Gomes, assim como servidores que lidavam diretamente com pessoas suspeitas e infectadas pela covid, assistentes de laboratório, médicos, bioquímico, enfermeiras, recepcionistas, vigia, copeira, também ficaram de fora do pagamento.

“Infelizmente é mais uma atitude da equipe despreparada da Secretaria de Saúde, que não cumpre nem a lei, e infelizmente nós estamos vivenciando essa situação aqui no nosso município”, acrescentou.

A ex-gestora afirmou que há dinheiro disponível em caixa na Secretaria de Saúde e que, antes de deixar a pasta, o então secretário Júnior Santos havia incluído os nomes na lista para o recebimento do adicional, mas esses nomes foram retirados da folha.

“Essa verba já está disponível, inclusive os três meses, do valor que saiu ontem, foi referente à abril, maio e junho. Quando o secretário Dr Júnior deixou a secretaria, consequentemente, nós também deixamos o CIEM, essa verba já estava em conta. Além desses três meses, nós temos o direito garantido de receber os valores referentes a julho e os 14 dias trabalhados em agosto. Na época que nós saímos, eu vi o extrato na conta da Secretaria Municipal de Saúde, Dr. Júnior deixou recursos suficientes para pagar. Eu então sei o motivo, mas falta de dinheiro não é”, destacou.

Maria Santana pontua ainda que o não pagamento dos valores pode ter relação com questões políticas.

“A gente espera uma resposta por parte da Secretaria de Saúde, porque se eles tiveram a intenção de prejudicar só a mim, infelizmente eles prejudicaram inúmeras outras pessoas”, lamentou.

Santana afirmou ainda que os servidores deixados de fora do pagamento devem acionar a justiça para receber o adicional de insalubridade garantido por lei sancionada pelo próprio prefeito, José Walmir Lima.

Confira o documento na íntegra-

Lei 3045-2020 Gratificação Temporária de Apoio do Combate ao Covid19 – GTACC19 40%

CONFIRA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA COM MARIA SANTANA