Imagem Ilustrativa

A Polícia Civil continua investigando o crime em que uma mulher teve o corpo queimado na cidade de Campo Maior no sábado (19). Segundo o delegado Andrei Alvarenga, a vítima, que é usuária de drogas, teria se negado a entregar uma porção de droga para o suspeito, e por isso foi agredida e teve o corpo queimado.

Um suspeito do crime, identificado como Jaílson Alves Rodrigues, de aproximadamente 30 anos foi preso pela Polícia Militar ainda no sábado (19). A vítima, Maria Carmelita Ribeiro da Silva, de 46 anos, está internada no Hospital de Urgência de Teresina em estado grave.

“A Polícia Militar conseguiu prender o suspeito e estamos elaborando mais a investigação. Encontramos uma testemunha presencial, que viu toda a ação”, disse o delegado Andrei Alvarenga.

Segundo o delegado, o crime aconteceu em um terreno onde a população costuma jogar lixo. O lugar é frequentado por usuários de drogas. O suspeito teria tentado roubar uma porção de drogas da vítima e ela se negou a entregar, ele começou a agredi-la, e por fim usou gasolina para atear fogo na mulher.

“Ele atacou ela com uma serie de brutalidades: jogou pedras, desferiu socos e queimou ela. O que eu vi ontem foi uma coisa cruel, sádica”, comentou o delegado.

De acordo com o delegado, Maria Carmelita teve queimaduras de terceiro grau pelo corpo, principalmente na região do rosto e do peito. Ela se encontra internada na Unidade de Terapia Intensiva do HUT, e seu estado é grave.

Ainda segundo o delegado, o suspeito é um homem com um extenso histórico de crimes de roubo, tentativa de homicídio e porte ilegal de arma de fogo. Ele estava preso até o dia 20 de março, quando foi posto em liberdade por conta da pandemia de coronavírus.

Fonte: G1