Início Destaque Dorinha Xavier: Ministério Público mantém adolescente em Picos, mas impõe restrições

Dorinha Xavier: Ministério Público mantém adolescente em Picos, mas impõe restrições

Duas salas da Escola Dorinha Xavier foram incendiadas

O Ministério Público negou a internação do adolescente envolvido no incêndio na Escola Municipal Dorinha Xavier, solicitada pelo Conselho Tutelar de Picos, mas exigiu o cumprimento de uma série de medidas que devem ser cumpridas pelo garoto de 13 anos. A decisão foi tomada pela promotora Itanieli Rotondo.

Sobre o assunto, o conselheiro que acompanha o caso, Raimundo Nonato, explicou quais serão os procedimentos a serem seguidos.

“Ele não foi mandado para Teresina, teve uma audiência, uma oitiva do Ministério Público com o menor envolvido no incêndio da escola Dorinha Xavier, onde a Dra. Itanieli, ela tomou uma série de medidas, onde esse menor vai ter de cumprir essas medidas, que é fazer o tratamento no CAPS, voltar a estudar, participar de algum projeto de ensino, de preferência ‘AABB Comunidade’, e fazer o acompanhamento psicológico, tanto na área particular, como na área do município, encaminhado por mim, através do Conselho Tutelar e se ele não bater com todos esses requisitos, que foi feito um termo onde ele assinou e concordou, aí sim ele vai ser mandado para Teresina”, pontuou.

Outra exigência feita pela promotora foi que o menino tomasse de forma regular os medicamentos de uso controlado, pois ele foi diagnosticado, segundo o conselheiro, com um pequeno distúrbio psicológico.

A menina que também participou do ato infracional não irá responder por ainda ser uma criança, ela tem dez anos de idade.

“Ficou bem claro que ele, pelo ato infracional que ele cometeu, ele vai responder um processo, ele não vai ficar isento desse processo do incêndio onde ele causou na escola Dorinha Xavier, não só ele, ele e a criança. Por a criança não responder pelos seus atos, a criança vai ficar impune, mas ele vai responder, por ele já ser adolescente, independente da situação dele não ir para Teresina, esse processo relacionado ao incêndio, vai correr e ele vai responder por esse processo”, explicou.

Raimundo Nonato destacou que a cada quinze dias terá que enviar um relatório sobre o adolescente para a promotora. A mãe do menino deverá informar ao conselheiro sobre o cumprimento das medidas estabelecidas pelo Ministério Público, caso ele não cumpra, poderá ser enviado para internação na capital.

Entenda o caso

Um adolescente de treze anos e uma menina de dez confessaram que atearam fogo em duas salas de aula da Escola Municipal Dorinha Xavier, localizada no bairro Morada Nova, no dia 02 de abril deste ano.

CONFIRA A ENTREVISTA COM RAIMUNDO NONATO