Foto: Ascom

O PSDB confirmou neste sábado (4), em convenção nacional realizada em Brasília, a escolha de Geraldo Alckmin, 65 anos, como candidato na disputa à Presidência da República.

Atual presidente nacional do partido, o ex-governador de São Paulo foi escolhido pelos filiados que participaram do evento. Dos 290 votantes, 288 aprovaram o nome de Alckmin. Um filiado não votou a favor de Alckmin e outro se absteve.

A candidata a vice na chapa tucana será a senadora Ana Amélia (PP-RS). Ela foi convidada pelo PSDB após o empresário Josué Gomes (PR), filho do ex-vice-presidente José Alencar, recusar o posto.

Ana Amélia também estava presente na convenção do PSDB. A expectativa dos tucanos é a de que ela possa melhorar o desempenho de Alckmin na região Sul e entre o setor do agronegócio, no qual ela tem bom trânsito. A escolha de uma vice mulher representa ainda um aceno ao eleitorado feminino.

Além do “Centrão”, Alckmin fechou aliança com outros três partidos: PTB, PSD e PPS. Segundo o primeiro-vice-presidente do PSDB e coordenador da campanha, Marconi Perillo, a aliança com as demais legendas garantirá 45% do tempo de televisão ao candidato tucano.

Ao discursar na convenção, o prefeito de Teresina, Firmino Filho, fez uma análise sobre o momento e a realidade política brasileira, destacando a necessidade de uma nova forma de fazer política. “Hoje é preciso uma liderança conciliadora, experiente, técnica e politicamente preparada para unir o país e liderar um processo de mudança nacional, alguém que seja capaz de agregar um novo modelo de desenvolvimento para o país a uma nova forma de fazer política, construindo uma unidade em torno dos principais problemas e das graves questões do país”.

O prefeito da capital piauiense concluiu dizendo que a pessoa mais qualificada para isso é Geraldo Alckmin, pela sua postura e temperamento conciliador, sua história e experiência na vida pública. Segundo Firmino, Geraldo Alckmin é o homem certo para conduzir o país para a pacificação e para novos caminhos.

Trajetória

A eleição presidencial deste ano será a segunda tentativa de Alckmin de chegar ao Palácio do Planalto. Ele foi ao segundo turno em 2006, mas perdeu para o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nascido em Pindamonhangaba, no interior de São Paulo, e formado em medicina, foi eleito em 1976 prefeito de sua cidade natal.

Foi deputado estadual (de 1982 a 1986) e, depois, federal por dois mandatos consecutivos (de 1986 a 1994).

Foi vice-governador de São Paulo de 1994 a 2001. Com a morte do então governador Mario Covas em 2001, assumiu o governo do Estado. Foi reeleito governador em outubro de 2002.

Em 2006, disputou a Presidência da República e perdeu no segundo turno para o petista Luiz Inácio Lula da Silva. Na ocasião, Alckmin recebeu 39,9 milhões de votos.

Em 2010, Alckmin foi eleito novamente governador de São Paulo e reeleito em 2014 para um novo mandato.

G1