banner2

Diante das dificuldades financeiras, o Governo do Estado tem recorrido a empréstimos para manter obras em andamento e pagamento de pessoal em dias. O secretário de governo Merlong Solano comentou a dependência do Piauí com relação a esses recursos e garantiu que endividamento do Estado “está sob controle”.

De acordo com Merlong Solano, o endividamento do Piauí vem caído nos últimos anos e, hoje, o Governo tem capacidade de contrair quatro vezes mais o valor da dí- vida atual. O Estado pode ter uma dívida correspondente a duas vezes à receita corrente liquida, portanto 200%. Em 2014, no último ano da gestão anterior, a dívida correspondia a 60% da receita corrente liquida. Já no final de 2017 o valor representava 45%, segundo o secretário de governo.

Para Merlong Solano, os empréstimos fazem a economia crescer mais rápido. “É um recurso legítimo que todos os governos se utilizam no momento de dificuldades e, mesmo fora dos momentos de dificuldades, o empréstimo é uma espécie de antecipação dos investimentos, que com recurso próprio você só poderia fazer no futuro”, defendeu.

Só no ano passado o Governo do Estado realizou operações de crédito que somaram quase R$ 1 bilhão. Um dos contratos, sem o aval da União, foi no valor de R$ 600 milhões, e aguarda a liberação de outros R$ 315 milhões, que, segundo o governo, serão investidos em obras de infraestrutura.

Jornal O Dia

 

banner2