Foto: Fabrício Sousa

Os servidores técnicos administrativos das universidades federais do país realizam nesta sexta-feira (27) uma paralisação geral da categoria. No Piauí, o movimento acontece nos campi de Teresina, Picos, Floriano, Parnaíba e Bom Jesus. Na segunda-feira (30) os servidores voltam às suas atividades laborais em estado de greve, até o dia 10 de novembro, quando será deflagrado o movimento grevista.

De acordo com o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da UFPI (SINTUFPI), subseção de Picos, Erlândio Andrade, dentre as reivindicações estão defesa de carreira, negociação salarial, aumento da contribuição previdenciária, reforma da previdência e demissão por avaliação negativa. Erlândio explica ainda que o movimento é realizado em prol de uma educação de qualidade e em defesa dos hospitais universitários.

“Hoje é um dia de luta nacional, a categoria definiu, atendendo ao chamado da nossa federação nacional, a este dia de hoje, que é um dia de defesa da educação pública, dos servidores públicos e defesa sobretudo dos servidores públicos que precisam de segurança jurídica, de segurança do governo para que possamos desempenhar nosso papel com qualidade”, argumenta.

Foto: Fabrício Sousa

Com relação aos professores da instituição, o coordenador do SINTUFPI afirmou que até o momento não houve nenhum tipo de manifestação da categoria apontando adesão à paralisação ou a greve.

“Os professores, como pertencem a um sindicato diferente do nosso, temos este diálogo com eles, mas até o momento não se manifestaram em apoio a essa, que é uma causa também deles, porque é de defesa da educação pública e defesa também ao serviço público”, esclarece Erlândio.