Início Destaque PICOS: Geografia irregular dificulta obras de saneamento básico

PICOS: Geografia irregular dificulta obras de saneamento básico

Sérgio Alves - Foto: Jéssika Mayara

Alguns bairros da cidade de Picos já usufruem do sistema de saneamento básico disponibilizado pela Águas e Esgotos do Piauí S/A (Agespisa). O serviço é dos principais direitos do cidadão e tem como objetivo principal promover a saúde da população, porém, uma das dificuldades para garantir a abrangência do saneamento básico na cidade é o relevo e geografia irregular do município.

Sérgio Alves, gerente regional da Agespisa, explica que o problema afeta principalmente dois bairros. “Nós temos um problema grande hoje no Parque de Exposição, onde o esgoto não está tendo a vasão que a gente esperava ou que o tubo suportaria. E temos alguns problemas no bairro Boa Vista, onde por conta do revelo acidentado temos entupimentos constates”, informa.

Em meio às dificuldades, a Agespisa tenta driblar os problemas e corrigir rapidamente todas as falhas encontradas no saneamento básico picoense, algumas delas resolvidas no próprio município, outras na capital, sendo ainda possível a participação de empresas terceiras envolvidas na resolução das questões.

Até o momento, os bairros que já dispõem do saneamento básico na Capital do Mel são o Boa Vista, Passagem das Pedras, Morada do Sol, São José, Junco, Ipueiras e Conduru. Neles, o serviço funciona de forma efetiva e já existe a cobrança da tarifa para consumidores domésticos e comerciais.

“Todos os bairros onde foram feitas as redes de saneamento estão em pleno funcionamento, tanto na questão da coleta do esgoto para tratamento como na manutenção por parte da Agespisa”, informa Alves.

Tarifa alta

Um ponto importante da implementação do saneamento básico na cidade é a cobrança da taxa acoplada ao faturamento do consumo de água. Nos imóveis residenciais, é cobrada uma taxa fixa de 50%, já nos imóveis comerciais o valor sobe para 80% do consumo de água.