Piauí busca certificado de área livre de Peste Suína

Piauí busca certificado de área livre de Peste Suína

Piauí dará início ao Plano Estadual de Sanidade Suína.

Seguindo o mesmo calendário de certificação da Febre Aftosa, o Estado do Piauí inicia em novembro o Plano Estadual de Sanidade Suína, uma busca pelo reconhecimento de área livre da Peste Suína Clássica, uma doença nervosa que afeta a coordenação motora e leva rapidamente o animal à morte.

O processo começa pelo cadastramento e recadastramento de criadores de suínos, propriedades que possuam maior fluxo de entrada e saída, e de locais onde ocorra o comércio e abate destes animais.

Com isso, criadores que não possuem a espécie animal cadastrada na sua ficha junto à ADAPI, devem informar a quantidade e faixa etária dos animais. Posteriormente será realizado um levantamento in loco para determinar a veracidade das informações.

Gerlan Vieira - Foto: Reprodução
Gerlan Vieira – Foto: Reprodução

“O Piauí sendo reconhecido como livre de Peste Suína Clássica, abre as portas do mercado nacional e possivelmente internacional para que se possa vender o animal ou o produto, que é a carne”, explica o coordenador da USAV de Picos, Gerlan Vieira.

Grande parte das informações já constam nos cadastros dos criadores, pois a cada campanha contra febre aftosa é feita a regularização não só do rebanho bovino, mas também de outras espécies animais existentes nas propriedades. Porém, com a iniciativa, as informações serão mais precisas em relação ao rebanho suíno.

Sintomas

A Peste Suína Clássica – também conhecida como febre suína e cólera dos porcos – é uma doença altamente contagiosa que atinge porcos e outros animais como javalis. A taxa de mortalidade depende da força do vírus e a idade e estado dos animais, podendo ocorrer entre duas e três semanas, independente da idade do animal. A infecção provoca febre alta, paralisia nas patas traseiras, manchas avermelhadas pelo corpo e dificuldades respiratórias.

 

Comentários Facebook